O que fazer em Porto Alegre – Centro Histórico

Como toda cidade, Porto Alegre também tem seu centro histórico. Área delimitada por avenidas como a Loureiro da Silva, a da Legalidade e da Democracia e a Perimetral, foi lá que tudo começou, em um tempo em que a própria cidade correspondia ao perímetro de seu centro histórico. Com a chegada de 60 casais portugueses, iniciou-se um movimento de urbanização, que teve como seu primeiro alvo a atual Praça da Matriz (chamada oficialmente Praça Marechal Deodoro), perto da qual todos queriam viver, pois ficava próxima ao porto, e que, não por coincidência, é o nosso primeiro destaque.

Praça da Matriz

No centro da praça, há o lindo Monumento a Júlio de Castilhos, presidente do Rio Grande do Sul duas vezes e eleito patriarca do nosso estado. A explicação detalhada desse monumento cheio de influência positivista é muito interessante, procure se informar.

 Em volta e próximos dela, estão o Palácio do Ministério Público; a Catedral Metropolitana; a Cúria Metropolitana de Porto Alegre; a Casa da Junta; o Palácio Piratini; o Palácio da Justiça; o Theatro São Pedro; o Museu Júlio de Castilhos; o Solar dos Câmara; o Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul; a Biblioteca Pública do Estado; o Solar Palmeiro; e o Palácio Farroupilha.

Monumento em frente ao Palácio da Justiça

Biblioteca Pública

Edifício Tuyuti/GBOEX

A segunda parada é a Rua dos Andradas, também chamada de Rua da Praia, a mais antiga da cidade, lugar da elite e de intelectuais na década de 50 e principal ponto de partida para se conhecer todo o centro histórico, point das alaminutas e onde fica a Praça da Alfândega, nossa terceira parada. Ela foi construída no fim do século XVIII, onde era o porto da cidade. Nela, ocorre, todo ano, a famosa Feira do Livro.

Eu e parte da galera do free walking tour (a maioria estudantes internacionais da Ufrgs) almoçando alaminuta na Andradas

Praça da Alfândega (à esquerda, o MARGS; à direita, o Memorial do Rio Grande do Sul; ao fundo, o Cais do Porto)

Atrás dela, fica uma das atuais polêmicas da cidade, o Cais do Porto. Em sua extensão, há algumas esculturas, duas delas, próximas a um banco, são o mineiro Carlos Drummond de Andrade (de pé) e o gaúcho Mário Quintana (sentado), e outra, em seu centro, foi feita em homenagem ao General Osório, heroi da Guerra do Paraguai e patrono da Cavalaria do Exército Brasileiro.

Monumento a Osório

Em seu entorno encontra-se a Feira Hippie, o Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS), o Memorial do Rio Grande do Sul e o Santander Cultural.

Feira Hippie

Ainda na Andradas, temos o Centro Cultural CEEE Érico Veríssimo, a Galeria Chaves, a Livraria do Globo, o Rua da Praia Shopping, o Correio do Povo, a Casa de Cultura Mario Quintana, a Igreja Nossa Senhora das Dores, entre outros.

Galeria Chaves

Centro Cultural CEEE Érico Veríssimo

Igreja Nossa Senhora das Dores (a preferida das noivas)

No fim da Andradas, dois dos pontos altos da cidade: a Usina do Gasômetro e o próprio Gasômetro.

A próxima parada é no Largo Glênio Peres, que, à sua volta, localizam-se o Mercado Público, a Praça Montevideo, onde está a cercada Fonte Talavera de La Reina e a Prefeitura de Porto Alegre, e a Praça XV de Novembro, onde está o Chalé da Praça XV, bar e café tradicional da cidade. Pertinho dali, ainda tem o Palácio do Comércio.

Prefeitura

Mercado Público

A próxima direção é a esquina da Rua da Praia com a Avenida Borges de Medeiros, que não faz acontecer nada no coração, mas foi e continua sendo marcada por diversas manifestações populares e comícios, sendo batizada como Esquina Democrática. Seguindo a Borges, encontramos o que pode ser a última atração do post e do mapa antes de chegarmos ao famoso bairro boêmio Cidade Baixa: o Viaduto Otávio Rocha.

Vista de cima do viaduto

Agora, vamos para o nosso resuminho maroto.

Na Praça da Matriz:

  • Palácio do Ministério Público (Praça Mal. Deodoro, 110)
    – Foi palácio do governo antes do término da construção do Piratini e, hoje, abriga um museu e um centro cultural.
  • Catedral Metropolitana (Rua Duque de Caxias, 1047)
    – Foi construída no lugar da primeira igreja da cidade.
    – Horários: de segunda à sexta-feira, das 7h às 19h; aos sábados, das 9h às 19h; e aos domingos, das 8h às 19h.
  • Cúria Metropolitana de Porto Alegre (Rua do Espírito Santo, 95)
    – Sede administrativa da Arquidiocese de Porto Alegre. Tirar foto da arquitetura e, para os adeptos, entrar, né.
  • Memorial do Legislativo (Rua Duque de Caxias, 1029)
    – É a edificação mais antiga e foi conhecida por abrigar a Casa da Junta.
    – Horários: de segunda à sexta-feira, das 8h30min às 11h30min e das 13h30min às 18h30min.
    – Para agendar visitas em grupo, ligar para (51) 3210-1148.
  • Palácio Piratini
    – Sede do governo do Rio Grande do Sul e construído no lugar do Palácio de Barro.
    – Horário: segunda a sexta, das 9h às 11h e das 14h às 17h.
    – Horário de visita guiada: 9h30, 10h30,11h30; 14h, 15h, 16h, 17h. Grupos com mais de 10 pessoas, deve agendar pelo telefone (51) 3210-4169.
  • Palácio da Justiça (Praça Mal. Deodoro, 55)
    – Horários: de segunda à sexta-feira, das 9h às 18h.
    – Visitas de grupos podem ser marcadas com antecedência, bastando solicitação de data ao Memorial via email memorial@tjrs.jus.br ou contato telefônico (51) 3210.7176.
  • Theatro São Pedro
    – Inaugurado e muito admirado na metade do século XIX e ameaçado de demolição nos anos 70, foi restaurado e voltou a ser um dos mais bonitos do país.
    – Horários de visitação: de terça a sexta, a partir do meio-dia; sábado e domingo, a partir das 16h.
  • Museu Júlio de Castilhos (Rua Duque de Caxias, 1205)
    – Museu mais antigo da cidade, se divide em duas edificações, uma delas sendo a ex-residência de Castilhos. Em seu acervo, destacam-se as seções acerca da Guerra dos Farrapos e da Guerra do Paraguai, além de esculturas feitas por indígenas e jesuítas.
    – Horários de visitação: de terça a sábado, das 10h às 17h.
    – Visitas guiadas para escolas ou grupos: de terças a sextas, mediante agendamento pelos telefones(51) 3221.5946 e 3221-3959.
  • Solar dos Câmara (Rua Duque de Caxias, 968)
    – Foi a casa de dois viscondes, é o prédio residencial mais antigo da cidade e, hoje, é tido como centro cultural, com o Departamento de Relações Públicas e Atividades Culturais (DRPAC) e a Biblioteca Borges de Medeiros. Rolam exposições fotográficas da Sala J.B. Scalco e espetáculos musicais gratuitos do projeto Sarau no Solar.
    – A visita deve ser agendada antecipadamente, em dias úteis, das 9h às 18h, pelo telefone (51) 3210-1148. O agendamento também pode ser solicitado via e-mail pelo endereço visitasguiadas@al.rs.gov.br. Agendamentos via e-mail dependerão de confirmação para serem efetivados.
  • Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul (Rua Riachuelo, 1031)
    – Possui o maior acervo documental do estado e qualquer pessoa pode ir lá fazer pedidos de consulta.
    – No próprio site, tu agenda a visita guiada, só tem que ver se eles aceitam apenas grupos.
  • Biblioteca Pública do Estado (Rua Riachuelo, 1190)
    – Rola até peças de teatro ao custo de doação de 1 livro.
    – Horários: segundas, das 14h às 19h; de terça à sexta, das 9h às 19h; sábados, das 14h às 18h.
  • Solar Palmeiro (Praça da Matriz, 148)
    – Foi construído em 1790. Desde 2011, sedia as atividades do Espaço Cultural Nova Acrópole, que promove aulas e oficinas de música, ciências, artes cênicas e visuais, cursos de Filosofia para qualquer idade, palestras semanais com temas que pensam na comunidade e aulas de arte marcial filosófica. Além disso, ainda oferece livraria, biblioteca, exposições, atelier, brinquedoteca e um bistrô e café chamado Bistrô Solar.
  • Palácio Farroupilha
    – Sede da Assembleia Legislativa. A visita pode ser feita apenas ao Plenário 20 de Setembro, nome dado por causa da Revolução Farroupilha e porque foi a data da primeira sessão plenária realizada lá.
    – Para agendar a visita para o Plenário (e, se quiser, o Solar Câmara junto), o faça antecipadamente, em dias úteis, das 9h às 18h, pelo telefone (51) 3210-1148. O agendamento também pode ser solicitado via e-mail pelo endereço visitasguiadas@al.rs.gov.br. Agendamentos via e-mail dependerão de confirmação para serem efetivados.

Na Praça da Alfândega:

  • Feira Hippie
    – Quando as tendas estão com produtos novos, é uma ótima feira. Um dos meus lugares preferidos para comprar roupas e bolsas. Funciona de segunda a sábado, das 9h às 18h/18h30, mais ou menos.
  • Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS)
    – Museu de arte contemporânea nacional e estrangeira, dando destaque à gaúcha.
    – Horário: de terça a domingo, das 10h às 19h.
    – Como o site está em manutenção, mande e-mail´para museu@margs.rs.gov.br ou entre na página do facebook.
  • Memorial do Rio Grande do Sul (Rua Sete de Setembro, n.° 1020)
    – Museu dedicado a contar a história do estado. É um dos meus preferidos.
  • Santander Cultural (Rua Sete de Setembro, 1028)
    – Centro cultural e de arte muito bonito e com exposições muito boas, ele preserva um pouco de sua história através dos cofres do antigo banco. Em um deles, há o Café do Cofre, onde não pega sinal de celular (o que é bom para as pessoas conversarem umas com as outras) e que tem uns precinhos meio salgados (aviso para aqueles que querem economizar), mas vale a experiência. No lugar, ainda tem um cinema.
    – Horários: de terça a sábado, das 10h às 19h; domingos e feriados, das 13h às 19h. Bilheteria: de terça a domingo, das 14h às 19h.
    – Ingressos para o Cinema: programação regular, R$ 10,00; pessoas acima de 60 anos e estudantes, R$ 5,00.
    – Ingressos de Música: programação regular, R$ 12,00; pessoas acima de 60 anos e estudantes, R$ 6,00.
    – Clientes e funcionários Santander têm entrada gratuita nas sessões de cinema e shows de música.
  • Inspetoria da Receita Federal (Avenida Sepúlveda)
    – Tem um Atlas na fachada. Só para tirar fotos da arquitetura.
  • Edifício Hudson (Rua Caldas Júnior)
    – Sede do jornal Correio do Povo. Só para tirar fotos da arquitetura.

Na Rua dos Andradas e áreas próximas:

  • Casa de Cultura Mário Quintana (Rua dos Andradas, 736)
    – Antigo hotel Majestic, onde residiu por muito anos o poeta Mário Quintana, virou um centro cultural que oferece cinema, biblioteca, livrarias, exposições (como os acervos Elis Regina e Mário Quintana, parte do acervo do MARGS…), teatros, oficinas de arte, cafés, etc. No térreo, há o Café dos Cataventos; no 5º andar, se encontra o Jardim José Lutzenberger (cujo nome vem do ambientalista que morreu em 2002, mesmo ano que o jardim foi feito); e, no 7º andar, o Café Santo de Casa, de onde é possível ver o pôr do sol.
    – Horários: segunda, das 14h às 21h; de terça a sexta, das 9h às 21h; sábado e domingo, das 12h às 21h.
    – O site saiu do ar, então entre na página do Facebook.
  • Catedral da Santíssima Trindade (Rua dos Andradas, 880)
  • Igreja Nossa Senhora das Dores (Rua dos Andradas, 387)
    – Começou a ser construída no ano de 1807 e demorou quase 100 anos para ser finalizada. Muitas lendas são atribuídas a tal atraso. Uma das mais contadas é que um dos escravos que trabalhava na construção foi acusado de roubo injustamente e, antes de ser enforcado na rua em frente à igreja, conhecida pelos enforcamentos, amaldiçoou a edificação dizendo que ela levaria anos e anos para ser construída e, assim, saberiam que ele era inocente. De qualquer forma, hoje, ela não é mais amaldiçoada. Muito pelo contrário, é a preferida das noivas em maio e para conseguir casar lá é melhor já colocar o nome na lista de espera porque vai demorar.
    – Horários de visitação: de segunda a sexta, das 8h30 às 19h30 (com pausa das 12h às 12h30); sábado e domingo, mesmo horário (com pausa das 12h às 13h30).
  • Galeria Chaves (acesso pela Rua José Montaury, 129; ou pela Rua dos Andradas, 1444)
    – Prédio inaugurado em 1936, seu projeto foi criado por Fernando Corona, escultor e arquiteto gaúcho precursor da arquitetura moderna da Porto Alegre. No passado, dois fatos curiosos: em 1903, havia um restaurante e fundaram o Grêmio Foot-Ball Porto-Alegrense; o segundo fato é que Leonel Brizola teve seu primeiro emprego lá, como ascensorista. Hoje, além de lojas de roupas, sapatos e música, tem uma praça de alimentação muito boa com restaurantes de buffet executivo ou de alto padrão, restaurante vegetariano, cafeterias e até loja de chocolates.
    – Horários: de segunda à sexta, das 9h às 19h; sábado, das 9h às 17h.
  • Livraria do Globo (acesso pela Rua José Montaury, 101; ou pela Rua dos Andradas, 268)
    – Sede de uma das casas editoriais de mais destaque do Brasil no início do século XX.
  • Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa (Rua dos Andradas, 959)
    – Em homenagem ao pai da imprensa brasileira, foi feito para mostrar a evolução tecnológica pela qual passou a Comunicação Social até então.
    – Horários: visitação às exposições, de terça a sábado, das 9h às 18h. Quem quiser fazer uma visita guiada, pode agendar um horário através do telefone da secretaria, (51) 3225.8757.
  • Museu do Comando Militar do Sul (Rua dos Andradas, 630)
    – Horários de funcionamento: de terça a quinta, das 10h às 16h; sexta-feira, das 09h às 12h; sábados e domingos, das 13h30 às 17h.
    – Horários das visitas guiadas (agendamento prévio pelo telefone 3226.5883): de terça a quinta, às 10h30 e 14h30; sexta-feira, às 09h30.
    – Entrada franca.
  • Rua da Praia Shopping (Rua dos Andradas, 1001)
  • Museu do Trabalho (Rua dos Andradas, 230)
    – Visitação: de terça-feira a domingo, das 13h30min às 18h30min.
  • Centro Cultural CEEE Erico Veríssimo (Rua dos Andradas, 1223)
    – Dedicado ao autor de O Tempo e o Vento, o centro cultural foi feito no prédio Força e Luz, datado de 1929, e também abriga o Museu da Eletricidade do Rio Grande do Sul.
    – Horários de visitação: de terça a sexta, das 10h às 19h; sábados, das 11h às 18h.
    – Detalhes acerca das visitas guiadas neste link.
  • Prédio do Banco Safra (Rua dos Andradas, ao lado do Rua da Praia Shopping)
    – Antiga Previdência do Sul. Para aqueles que, assim como eu, amam arquitetura. Só para tirar uma foto, já que a única coisa original que se mantém de sua estrutura é a fachada.
  • Prédio do Clube do Comércio (Rua dos Andradas, bem em frente à Praça da Alfândega)
    – Dizem que, lá dentro, tem um dos melhores buffets da cidade. É um prédio rosa.
  • Cais do Porto (Avenida Mauá, 1050)
    – É administrado pela Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH) e, além de ser porto, é também de onde saem barcos de passeio pelo Rio Guaíba. É lindo e tem sido motivo de muita polêmica, pois o governo quer restaurá-lo, mas o povo quer tomar parte nas decisões da obra. Proibida de entrar no cais a não ser para embarcar em algum barco, a população, seguidamente, faz protestos pacíficos em frente aos portões do cais, evento chamado de Ocupa Cais Mauá.

No Gasômetro:

  • Usina do Gasômetro (Avenida Presidente João Goulart, 551)
    – Sede de uma usina termoelétrica (utilizava carvão mineral) em 1928, ela foi desativada em 1970. Impedida de ser demolida pela população e após ser comprada depois de anos de deterioração, foi restaurada e, hoje, abriga um centro cultural com uma sala de cinema e quatro galerias de arte, além de ser um dos cartões postais da cidade. Lá dentro, ainda tem um Centro de Informações Turísticas.
    – Horários: de terça à sexta, das 9h às 21h; sábado e domingo, das 10h às 21h.
  • Pôr do Sol
    – A mais celebrada atração turística de Porto Alegre.

No Largo Glênio Peres:

  • Mercado Público
    – Foi inaugurado em 1869, passou por uma enchente em 1941 e diversos incêndios, o último deles tendo acontecido 6 de julho de 2013. A parte atingida ainda não foi totalmente restaurada.
    – Horários de funcionamento: de segunda à sexta-feira, das 7h30 às 19h30, só ficam abertos até às 24:00 os portões da Av. Borges de Medeiros e do Largo Glênio Peres para acesso do público aos restaurantes e bares do 2º pavimento. Sábados, das 7:30 às 18:30, todos os portões fecham.
    – Para quem deseja pedir entrega de alguns produtos do mercado, basta pedir nesse link.
    – Como dica, lá dentro, vá no Bar Naval ou no Restaurante Gambrinus (nesse, é necessário colocar nome na lista), dê uma passada na cachaçaria ao lado do Naval e depois, se ainda conseguir, coma o sorvete com salada de fruta e nata Bomba Royal na Banca 40.
  • Praça Montevideo
  • Prefeitura de Porto Alegre (Praça Montevideo, 10)
  • Praça XV de Novembro
  • Chalé da Praça XV
    – Bar e café em um prédio de 1911.
  • Palácio do Comércio
    – Inaugurado em 1940, foi construído por José Lutzenberger, o mesmo lá do jardim da Casa de Cultura Mário Quintana. Lá dentro, tem o Café da Bolsa.

Na Borges de Medeiros:

  • Viaduto Otávio Rocha
    – Faz com que a Rua Duque de Caxias passe por cima da Borges de Medeiros. Nele e em suas escadarias, encontram-se bares, cafés, teatros e até ocupações.

E tem gente que diz que não tem o que conhecer nessa minha Porto Alegre querida. 😛

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *